O NASCIMENTO DE VÊNUS

O NASCIMENTO DE VÊNUS
O NASCIMENTO DE VÊNUS do pintor renascentista Sandro Botticelli

PUBLICIDADE

sábado, 19 de setembro de 2015



As Mulheres mais Poderosas da História
Parte 1

Falar das mulheres mais poderosas da história, aquelas que de uma forma ou de outra tiveram o poder e o controle da situação em suas delicadas, porém firmes mãos não é uma tarefa fácil. São tantas que até lista-las é um trabalho cansativo. O que posso dizer é que nesta lista bem abrangente, algumas se destacaram mais que outras e é destas almas fêmeas que irei falar. Para facilitar, separei as mulheres por era histórica, não para facilitar mas por puro capricho mesmo. Peço desculpas se esqueci de alguém. Não foi proposital já que é uma lista bem pessoal. Se alguém discordar, sinta-se a vontade para opinar a respeito.

PRÉ-HISTÓRIA

1ª Mulher – Anônima (Período Neolítico)
Devemos tudo o que somos a esta ilustre desconhecida que num acaso de observação plantou os primeiros grãos de cereais e aprendeu que a Natureza poderia ser domada, nos tirando da Pré-História e nos jogando na etapa seguinte, a Antiguidade.


ANTIGUIDADE

2ª Mulher – Cleópatra (69 a.C. a 30 a.C.)
A rainha do Egito pertencia a Dinastia Ptolomaica e, embora muitos historiadores duvidem de sua beleza, eu acredito que além de muito linda, Cleópatra era muito sedutora (as mulheres egípcias desde muito tempo conheciam produtos de maquiagem e beleza). Com o Egito invadido pelo Império Romano a rainha Cleópatra seduziu primeiro o imperador Júlio César e depois o general Marco Antônio. Foi a mulher mais poderosa de seu tempo embora seu tempo tenha sido curto: aos 39 anos se deixou picar por uma serpente naja e morreu. 

Mulher - Agnodice de Atenas (século IV a.C.)
Agnodice foi a primeira médica da história quando as mulheres não eram autorizadas a exercer a medicina. Algumas mulheres de seu período podiam exercer o ofício de parteiras, mas a acusação de que algumas praticavam o aborto levou o governo de Atenas a proibir a atividade entre as mulheres sob pena de morte. Agnodice não pensou duas vezes: cortou o cabelo bem curto, vestiu roupas masculinas e foi estudar com o grande mestre Hierófilos no Egito. Ao retornar tornou-se tão popular entre as mulheres que os homens atenienses a acusaram de estar seduzindo-as. Levada ao Aerópago (uma espécie de tribunal formado por um Conselho de Anciãos) foi obrigada a revelar seu disfarce de homem e só não foi morta porque as mulheres atendidas por ela protestaram até que fosse absolvida.


Mulher - Safo de Lesbos (século VII a.C.)
Poetisa grega que viveu quase a vida toda na cidade de Mitilene, capital da ilha de Lesbos era considerada a "Décima Musa" pelo filósofo grego Platão. Sempre tomando parte na vida pública e na política foi deportada pelo ditador Pítaco para Pirra, outra cidade na ilha. Casou-se depois com um rico aristocrata que, ao morrer lhe deixou uma herança com a qual concebeu uma escola para moças onde suas discípulas eram chamadas de "hetairai" (amigas). Uma delas, Atis, foi amante de Safo. Ninguém sabe quando ou como ela morreu mas muitos acreditam que tenha atingido a velhice. Todos, porém, concordam que Safo foi a maior poetisa da história.
 
IDADE MÉDIA

5ª Mulher – Joana D’Arc (06/01/1412 a 30/05/1431)
Falar desta francesa que nasceu na região de Lorena e foi uma das mulheres mais poderosas do mundo não é tarefa fácil. Aos treze anos de idade passou a ouvir vozes que, segundo ela seriam de São Miguel, Santa Catarina de Alexandria e Santa Margarida de Antióquia. Aos dezesseis encontrou-se com o rei da França Carlos VII, tarefa difícil cujo planejamento durou um ano. Ela o reconheceu no meio de muitos nobres sem jamais tê-lo visto antes e esta foi uma das inúmeras provas pelas quais Joana teve que passar antes que o rei da França depositasse nela a sua confiança. À frente do exército francês ela iria vencer batalha após batalha para que a França se tornasse livre do domínio inglês numa guerra que iria durar 116 anos (a Guerra dos Cem Anos 1337 a 1453) e consolidar as monarquias nacionais de França e Inglaterra. Presa por questões de intrigas envolvendo nobres ingleses e franceses, o papa e a infanta Dona Isabel Duquesa de Borgonha, Joana D'Arc foi julgada pela Inquisição e condenada como herege a ser queimada viva na fogueira. Morre a mulher. Fica o Mito. Santa Joana D'Arc morreu aos dezenove anos em 30 de maio de 1431 para entrar na história.


IDADE MODERNA


 
6ª Mulher – Elizabeth I ( 1558 a 1603 ) 

Filha de Henrique VIII e Ana Bolena, foi a última integrante da dinastia dos Tudor no comando do país. E encarou com firmeza dois grandes rivais: o Rei Felipe II, da Espanha, que declarou guerra à Inglaterra com sua lendária esquadra chamada de A Invencível Armada; e sua prima, Maria Stuart, rainha da Escócia, que queria derrubá-la. Concedeu carta de corso a vários piratas ingleses como Francis Drake e Thomas Cavendish. Considerada um símbolo nacional de pureza e visão política, Elizabeth foi também uma grande patrocinadora das artes. Fez florescer o chamado teatro elizabetano, cujo maior nome foi o do dramaturgo inglês William Shakespeare.

Semana que vem eu volto com mais mulheres poderosas.  Santé!!! 







3 comentários:

  1. Professor, você podia falar sobre o Japão antigo principalmente sobre os samurais e ninjas, é um assunto interessante eu li um pouco mas não tudo, poderia recomendar filmes que ensinam mais sobre o Japão antigo também
    Outra sugestão é falar sobre jogos que trazem a história da segunda guerra e da primeira, pois hoje em dia o que mais é recomendado são jogos que ensinam história ao mesmo tempo que divertem.

    - vinicius s.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa dica. Vou correr atrás. Faltou número e série, Vinicius.

      Excluir
  2. Bela matéria,é sempre bom ler algo que esteja ressaltando a participação e o poder da mulher na historia !
    Parabéns <3
    Kerolyn Almeida
    n 27
    3 ano A

    ResponderExcluir